Guru da web fala sobre o Twitter

RIO – Considerando que o português já é a segunda língua mais falada no Twitter , aqui vão mais algumas dicas de uso dessa tão afamada ferramenta de microblog. O guru da vez, até que apareça outro, será Guy Kawasaki, ex-responsável na Apple pelo marketing do Macintosh e, atualmente, sócio da empresa Garage Technology Ventures ( garage.com ).

Há duas semanas, ele proferiu uma palestra no evento CES 2010, em Las Vegas, em que – naturalmente – o Twitter foi um dos assuntos predominantes. Kawasaki é focado em inovações tecnológicas e especializou-se em usar o Twitter para propósitos marketeiros.

Vamos, então, às recomendações twitológicas do Kawasaki, algumas pinçadas de sua palestra pela blogueira Anita Campbell, outras divulgadas por ele mesmo em suas várias recentes aparições.

Consiga gente para lhe ajudar – ghost-tweeters – enviando twits em seu nome. Tem que ser gente de confiança. Mas não os deixe responder às mensagens “@” ou às DM (direct messages) enviadas a você. Capriche você mesmo nessas respostas.

Esqueça a proposta inicial do Twitter, que é contar coisas sobre você mesmo. Se você for famoso, tudo bem. Mas se não for, então suas frivolidades e pequenezas não interessam a ninguém – apenas aos seus amigos muito chegados.

Faça seus twits retwitáveis, informando coisas interessantes. Retwitar alguém é uma das mais sinceras formas de elogio. Quem faz um retwit está apostando sua reputação ao reenviar uma dica de outrem para seus seguidores.

Não compre seguidores – muitos desses que se vendem são safados. Angarie seguidores pela qualidade dos twits que você envia.

Não conte para todo mundo que você deixou de seguir alguém. As pessoas não estão nem aí para isso. Pense no Twitter como uma TV. Se não gostou do programa, simplesmente mude de canal. Além disso, quem alardeia que deixou de seguir este ou aquele twiteiro pode sem querer estar induzindo gente a seguir a tal figura só para saber de quem se trata.

Não dá para agradar a todos. Por isso, esteja preparado para receber feedback negativo sem perder a linha. Você tem que twitar o que você quiser, sem se preocupar em ficar agradando aos outros. Pisar no calo de uns e outros faz parte da vida. Mas, naturalmente, não se deve usar o Twitter como uma arma.

Não pergunte às pessoas por que elas deixaram de seguir você. Não fique deprimido quando alguém lhe dá um “unfollow”, é a coisa mais normal do mundo. Os motivos do outro podem ser os mais diversos possíveis. Seus twits podem ser chatos. Ou então eles são ótimos, mas a pessoa notou que não está com tempo para lê-los, e, por isso, decidiu pelo “unfollow”.

Não use fotinhas miúdas para o seu avatar no Twitter. Nada de imagens desfocadas, pixeladas ou com olhos vermelhos do flash. Seu avatar é a janela para sua alma online, portanto use uma foto decente, enquadrada no rosto, permitindo ver a expressão do seu olhar. E não use uma foto que lhe faça parecer excessivamente sexy. Se você tem necessidade de mostrar o seu corpo, então Twitter não é o site recomendado.

Não use links longos. Use encurtadores de links, que são grátis e fáceis de usar. Nossos preferidos são tweak.tk e notlong.com.

Para encontrar bons assuntos para retwitar, apele para SmartBrief, Alltop.com, StumbleUpon.com etc. Saber inglês, é claro, ajuda muito.

Para quem capricha na atualização de um blog ou de um site de conteúdo, o botão Tweetmeme é uma das fontes mais quentes da rede. Funciona de modo parecido com o do Digg.com ou do StumbleUpon.com, informando que outros humanos gostaram de um post ou matéria. Basta ver o número de gente que twitou um dado artigo e concluir que o babado é quente. O Tweetmeme tem uma vantagem a mais: facilita o retwitamento do que encontramos de bacana.

Tal como nos emails, não solte twits COM TUDO ESCRITO EM MAIÚSCULAS. Fica parecendo que você está gritando.

Não se meta a gostosão se ainda é um “sub-100”, ou seja, se só está no Twitter há menos de cem dias, ou possui menos de cem seguidores, ou segue menos de cem pessoas ou twitou menos de cem vezes. Indivíduos sub-100 não têm direito de dar pitaco ou de dizer como os outros devem twitar.

Se alguém lhe oferecer dinheiro para twitar sobre um serviço ou produto que não vá contra seus princípios, então aceite. Não é crime algum usar seu nome para dar uma força a um “cliente”. Mas deixe bem claro que é um twit patrocinado.

Se você quer click-throughs para um site seu, então repita seus twits pelo menos umas quatro vezes por dia. E faça-o em horários bem espaçados. Se um twit seu gerou 800 click-throughs, quatro twitadas gerarão 3.200. Guy explica que sites como a CNN repetem seus twits a cada hora, pois sabem que as pessoas não estão vendo seu canal Twitter o dia inteiro.

Twite tudo que está no seu blog. Se acha que algo é não-twitável, então por que blogou?

Aqui uma típica dica ao estilo Kawasaki, dono de uma sinceridade às vezes rude. Ele aconselha que sempre que alguém achar que vai twitar algo idiota, então pare antes de twitar. Diz ele: “As outras pessoas podem não saber que você é idiota. Mas se você twitar algo assim, elas não terão mais dúvida”. Um exemplo de fineza o cidadão, não é mesmo?

Não existe certo e errado no Twitter. O que existe de verdade é o que funciona e o que não funciona para você. O Twitter é uma plataforma, faça com ela o que quiser, e não saia dizendo aos outros o que fazer, a menos que você seja genuinamente um twit-guru. Se é que isso existe…

Não fique inventando a esmo as hashtags – aquelas palavrinhas-chave precedidas de “#” que as pessoas incluem em seus twits para facilitar aos outros encontrar desdobramentos do tema. Twiteiros sem-noção são experts em inventar hashtags bobocas e que ninguém acompanha.
fonte: http://oglobo.globo.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *