Facebook – Atinge 500 milhões de usuários

O Facebook anunciou nesta quarta-feira que atingiu a marca de 500 milhões de usuários em todo o planeta. É a maior rede social do mundo, uma comunidade superior ao número de usuários de internet na China, que tem 420 milhões de pessoas. Confira no gráfico, a curva de crescimento da rede. 

Facebook atinge 500 milhões de usuários no planeta
Facebook atinge 500 milhões de usuários no planeta

 

Nascida em 2003 a partir do projeto de Mark Zuckerberg, um estudante da Universidade de Harvard, o Facebook virou tema de estudos, teses e teorias. Uma das obras mais populares sobre o assunto, o livro The Facebook Effect: The Inside Story of the Company That is Connecting the World, de David Kirkpatrick, arrisca um palpite para explicar seu sucesso – argumento que, aliás, é defendido também por Zuckerberg: “Compartilhar informações e tornar a vida pública nos faz pessoas melhores”. Há quem discorde do jovem, hoje com 26 anos. No entanto, é certo que mais de 500 milhões de usuários da internet compartilham da opinião. 

Sérgio Valente, presidente da agência DM9DDB, acrescentas mais razões para o sucesso – em especial no mercado dos Estados Unidos. Para ele, os americanos estão habituados a interagir, principalmente no meio acadêmico. A cultura da fraternidade, explica o executivo, impulsionou o Facebook, primeiro entre as universidades e colégios, depois entre o público que terminava sua graduação. “Eu mesmo entrei na rede há seis anos, enquanto estudava em Harvard. A minha turma decidiu montar um grupo no Facebook e todo mundo achou que seria interessante fazer parte da rede”. 

Para Andre Deak, professor e diretor da empresa de estratégia de comunicação digital FLi Multimídia, os números impressionantes do Facebook sugerem que a internet é, de alguma forma, uma grande rede social. “As pessoas estão buscando notícias e tirando dúvidas nas redes, e isso pode ser uma tendência bastante significativa para o restante da web”, explica. 

Fernando Taralli, presidente da Energy, agência do Grupo Newcomm, encontra na tecnologia o segredo do sucesso do Facebook. Para ele, a rede desenvolvida por Zuckerberg possui as melhores funcionalidades. Além de ser uma plataforma aberta, que pode ser usada como base para milhares de desenvolvedores em todo o mundo na criação de aplicativos e ferramentas, a rede foi amplamente distribuída em diferentes canais (sites, blogs) e ganhou uma versão para celular, que permite aos seus usuários conexão 24 horas por dia, sete dias por semana. 

Brasil – Com números expressivos em várias partes do mundo, surge uma indagação: por que a rede de Zuckerberg ainda tem presença tímida no Brasil? Estimativas não oficiais apontam que 4,6 milhões de pessoas no país fazem parte da comunidade on-line, ante aproximadamente 50 milhões que estão interagindo pelo Orkut, o site de relacionamento mais popular do Brasil. 

Deak aponta peculiaridades locais para explicar isso. “O Orkut já se tornou uma rede social consolidada no Brasil. É difícil agora esperar que as pessoas aprendam a usar outra rede, com novas regras e interface”, diz. “É uma situação parecida com a que acontece com o Windows: apesar de existirem softwares livres, os usuários foram ‘alfabetizados’ pelo sistema operacional da Microsoft e se sentem confortáveis com ele”. 

Para Gian Giardelli, especialista em mídia digital, o Facebook não cresce no país por uma única razão: seu principal concorrente, o Orkut, foi responsável por um processo importante de inclusão social – e não digital. “As pessoas usam a rede como telefone, para se conectar, por meio dos scraps”, diz. “Além disso, os usuários publicam lá suas fotos e ficam com receio de migrar para outra rede e perder seus amigos”. 

Já Valente acredita que o obstáculo é mesmo o formato da rede. “O Facebook surgiu para que grupos debatessem assuntos de interesse comum”, aposta. “Já o Orkut foi desenvolvido para que as pessoas se expusessem na rede e fizessem amigos, uma característica universal da nossa cultura”. 

fonte: http://veja.abril.com.br/

Políticos transformam internet em arma de campanha (2006)

ISSO NO 2006, GRANDE NELSON DE SÁ

Sem showmícios, outdoors, cartazes e faixas de rua, camisetas e bonés, a campanha eleitoral de 2006 tem os muros e a televisão. E a internet.

Neste ano eleitoral, no Brasil como nos EUA, “o cálice sagrado” que os políticos buscam é como tornar a internet uma arma de persuasão, diz o blogueiro americano Jerome Armstrong, dito “The Blogfather”, do MyDD.com.

Ele foi a âncora da campanha de Howard Dean, há três anos, paradigma da incorporação da web pela democracia representativa, e cunhou a expressão “netroots”, para designar o ativismo político de “raiz” organizado via internet.

Nos EUA, o fenômeno acontece de baixo para cima, das “raízes” para o marketing de campanha. No Brasil, como se vê nos sites de candidatos e partidos, a “idéia fora de lugar” salta etapas, do marketing de campanha para a rede, de cima para baixo.

No ar, os sites de Lula, Geraldo Alckmin, Heloísa Helena, José Serra e Aloizio Mercadante incorporam mecanismos de interação e tecnologia de ponta, dos vídeos ao blog de candidato, mas pouco se encontra de ligação com o ativismo pré-existente na internet.

Ativismo que enredou e estabeleceu movimentos como aqueles vinculados ao Fórum Social Mundial, à esquerda, e ao “não” vitorioso no referendo sobre porte de armas, à direita.

Conexões

Carlos Bottesi, professor de Redes Convergentes na Unicamp, conta a história de um candidato a vereador com “uma proposta muito simples”, dois anos atrás em Campinas: “resgatar a dignidade dos animais de rua”.

A partir dela, o político criou uma “rede de conexões” pela internet, com e-mails e outros mecanismos –e, sem televisão, terminou como o mais votado.

A história exemplifica como, na internet, o que importa é a rede que se forma. “A Igreja Católica, os sindicatos, os partidos sempre foram ações em rede”, diz Bottesi, também professor de Novos Espaços Políticos do MBA em marketing político da ECA-USP.

“No momento, a internet é ferramenta indispensável para ampliar as ações em rede.”

Vale para igrejas e políticos como vale para qualquer cidadão. Blogs coletivos e mensagens de celular mobilizaram, no final de 2005, as manifestações –e os ataques violentos– dos jovens franceses.
Sites interativos de mídia independente organizaram os atos de Seattle e Gênova. Correntes de mensagem de texto, por e-mail e instrumentos tipo “messenger”, teriam criado a rede do “não” no referendo das armas.

Voto nulo e transparência

No momento, no Brasil, uma das redes políticas mais atuantes, fora das instituições, é a do voto nulo, que começou em blogs como Voto Nulo de Protesto e [10 anos a 1000], hoje praticamente inativos, e se espalhou viralmente pela blogosfera, chegando até aos mais estabelecidos.

Uma rede contrária ao voto nulo, registre-se, também já se formou, em blogs e comunidades de Orkut, estabelecendo um confronto on-line que alcança dezenas de endereços, de ambos os lados.

Outra rede que busca se firmar, externamente às instituições pré-existentes, é aquela em torno da organização Transparência Brasil (www.transparencia.org.br)

NELSON DE SÁ
Colunista da Folha de S.Paulo

Dilma lança blog, Orkut, Facebook e Flickr

A pré-candidata petista à Presidência, Dilma Rousseff, lançou nesta segunda-feira seu blog pessoal e seu perfil no Orkut, no Flickr e no Facebook. A empreitada na web acontece depois que seu rival nas urnas, o tucano José Serra, instalou telões na oficialização de sua pré-candidatura para receber mensagens do eleitorado e distribuiu o seu Twitter entre militantes do PSDB.

Dilma optou por aderir a um modelo mais próximo de um diário eletrônico para não ser acusada de fazer propaganda eleitoral fora de época. De acordo com o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), os candidatos podem desenvolver endereços na web direcionados à campanha somente a partir de 6 de julho.

O blog de Dilma traz a biografia da pré-candidata, fotos, artigos e propostas. O vermelho, cor de seu partido, é a tonalidade predominante do ambiente virtual.

Parabens Dilma, bem vida ao mundo dos internautas!

TSE libera debates na internet antes da oficialização das candidaturas

As regras ficam a cargo dos veículos, desde que respeitem participação igualitária dos convidados. 

TSE aproba debates
TSE aproba debates

 

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) liberou os debates na internet e em jornais impressos antes da oficialização das candidaturas pela Justiça Eleitoral. O prazo para o registro dos candidatos termina no dia 5 de julho. A decisão de desta quarta-feira foi baseada na consulta pública do deputado Miro Teixeira (PDT- RJ) que pedia esclarecimentos sobre a participação de candidatos e pré-candidatos em debates na internet. O plenário deixou a cargo dos veículos de comunicação as regras para a participação dos candidatos nos debates eleitorais, desde que todos os convidados sejam tratados de maneira igualitária. A transmissão ao vivo pela internet dos debates também foi liberada. Segundo o ministro Marco Aurélio Mello, também relator da consulta pública, esse tipo de debate não vai caracterizar propaganda eleitoral antecipada. “Os debates visam ao esclarecimento geral quanto ao perfil de candidatos e pré-candidatos”, justificou. 

Fonte : Agencia Brasil

Alcance de redes sociais no Brasil é maior que em outros países

O Brasil é um dos países com maior adoção de redes sociais em todos o mundo. O País lidera a lista de países com mais usuários que visitam redes sociais, em proporção ao número total de internautas. O estudo da consultoria Nielsen foi feito com 10 países – incluindo Estados Unidos, França e Alemanha – e mostra que 86% dos usuários ativos de internet no Brasil usam algum tipo de rede social. Em média, eles passaram cerca de cinco horas navegando nesse tipo de site durante o mês de abril. Reprodução  

Redes sociais no Brasil
Redes sociais no Brasil

 

Orkut estimulou acesso a redes sociais no Brasil O Orkut foi um dos sites que ajudou a popularizar as redes sociais no Brasil. O Google lançou a versão brasileira do site em 2004 e, em setembro de 2005, metade dos brasileiros ativos na internet já havia se conectado ao Orkut. Apesar disso, os usuários da Austrália lideram em tempo gasto nas redes sociais, com mais de sete horas de navegação em abril. Em terceiro e quarto lugar aparecem Itália e Estados Unidos, onde os usuários navegaram cerca de seis horas e meia nas redes sociais no mesmo período. Em outros países, o Facebook alavanca a audiência em redes sociais. Na Itália, a rede social capturou dois terços dos usuários ativos em abril. Em contrapartida, os japoneses são os que menos acessam o Facebook, com audiência e tempo gasto menores do todos os 10 países analisados. O Brasil aparece na penúltima posição: aqui, somente 26% dos usuários ativos visitaram o site em abril.

Guru da web fala sobre o Twitter

RIO – Considerando que o português já é a segunda língua mais falada no Twitter , aqui vão mais algumas dicas de uso dessa tão afamada ferramenta de microblog. O guru da vez, até que apareça outro, será Guy Kawasaki, ex-responsável na Apple pelo marketing do Macintosh e, atualmente, sócio da empresa Garage Technology Ventures ( garage.com ).

Há duas semanas, ele proferiu uma palestra no evento CES 2010, em Las Vegas, em que – naturalmente – o Twitter foi um dos assuntos predominantes. Kawasaki é focado em inovações tecnológicas e especializou-se em usar o Twitter para propósitos marketeiros.

Vamos, então, às recomendações twitológicas do Kawasaki, algumas pinçadas de sua palestra pela blogueira Anita Campbell, outras divulgadas por ele mesmo em suas várias recentes aparições.

Consiga gente para lhe ajudar – ghost-tweeters – enviando twits em seu nome. Tem que ser gente de confiança. Mas não os deixe responder às mensagens “@” ou às DM (direct messages) enviadas a você. Capriche você mesmo nessas respostas.

Esqueça a proposta inicial do Twitter, que é contar coisas sobre você mesmo. Se você for famoso, tudo bem. Mas se não for, então suas frivolidades e pequenezas não interessam a ninguém – apenas aos seus amigos muito chegados.

Faça seus twits retwitáveis, informando coisas interessantes. Retwitar alguém é uma das mais sinceras formas de elogio. Quem faz um retwit está apostando sua reputação ao reenviar uma dica de outrem para seus seguidores.

Não compre seguidores – muitos desses que se vendem são safados. Angarie seguidores pela qualidade dos twits que você envia.

Não conte para todo mundo que você deixou de seguir alguém. As pessoas não estão nem aí para isso. Pense no Twitter como uma TV. Se não gostou do programa, simplesmente mude de canal. Além disso, quem alardeia que deixou de seguir este ou aquele twiteiro pode sem querer estar induzindo gente a seguir a tal figura só para saber de quem se trata.

Não dá para agradar a todos. Por isso, esteja preparado para receber feedback negativo sem perder a linha. Você tem que twitar o que você quiser, sem se preocupar em ficar agradando aos outros. Pisar no calo de uns e outros faz parte da vida. Mas, naturalmente, não se deve usar o Twitter como uma arma.

Não pergunte às pessoas por que elas deixaram de seguir você. Não fique deprimido quando alguém lhe dá um “unfollow”, é a coisa mais normal do mundo. Os motivos do outro podem ser os mais diversos possíveis. Seus twits podem ser chatos. Ou então eles são ótimos, mas a pessoa notou que não está com tempo para lê-los, e, por isso, decidiu pelo “unfollow”.

Não use fotinhas miúdas para o seu avatar no Twitter. Nada de imagens desfocadas, pixeladas ou com olhos vermelhos do flash. Seu avatar é a janela para sua alma online, portanto use uma foto decente, enquadrada no rosto, permitindo ver a expressão do seu olhar. E não use uma foto que lhe faça parecer excessivamente sexy. Se você tem necessidade de mostrar o seu corpo, então Twitter não é o site recomendado.

Não use links longos. Use encurtadores de links, que são grátis e fáceis de usar. Nossos preferidos são tweak.tk e notlong.com.

Para encontrar bons assuntos para retwitar, apele para SmartBrief, Alltop.com, StumbleUpon.com etc. Saber inglês, é claro, ajuda muito.

Para quem capricha na atualização de um blog ou de um site de conteúdo, o botão Tweetmeme é uma das fontes mais quentes da rede. Funciona de modo parecido com o do Digg.com ou do StumbleUpon.com, informando que outros humanos gostaram de um post ou matéria. Basta ver o número de gente que twitou um dado artigo e concluir que o babado é quente. O Tweetmeme tem uma vantagem a mais: facilita o retwitamento do que encontramos de bacana.

Tal como nos emails, não solte twits COM TUDO ESCRITO EM MAIÚSCULAS. Fica parecendo que você está gritando.

Não se meta a gostosão se ainda é um “sub-100”, ou seja, se só está no Twitter há menos de cem dias, ou possui menos de cem seguidores, ou segue menos de cem pessoas ou twitou menos de cem vezes. Indivíduos sub-100 não têm direito de dar pitaco ou de dizer como os outros devem twitar.

Se alguém lhe oferecer dinheiro para twitar sobre um serviço ou produto que não vá contra seus princípios, então aceite. Não é crime algum usar seu nome para dar uma força a um “cliente”. Mas deixe bem claro que é um twit patrocinado.

Se você quer click-throughs para um site seu, então repita seus twits pelo menos umas quatro vezes por dia. E faça-o em horários bem espaçados. Se um twit seu gerou 800 click-throughs, quatro twitadas gerarão 3.200. Guy explica que sites como a CNN repetem seus twits a cada hora, pois sabem que as pessoas não estão vendo seu canal Twitter o dia inteiro.

Twite tudo que está no seu blog. Se acha que algo é não-twitável, então por que blogou?

Aqui uma típica dica ao estilo Kawasaki, dono de uma sinceridade às vezes rude. Ele aconselha que sempre que alguém achar que vai twitar algo idiota, então pare antes de twitar. Diz ele: “As outras pessoas podem não saber que você é idiota. Mas se você twitar algo assim, elas não terão mais dúvida”. Um exemplo de fineza o cidadão, não é mesmo?

Não existe certo e errado no Twitter. O que existe de verdade é o que funciona e o que não funciona para você. O Twitter é uma plataforma, faça com ela o que quiser, e não saia dizendo aos outros o que fazer, a menos que você seja genuinamente um twit-guru. Se é que isso existe…

Não fique inventando a esmo as hashtags – aquelas palavrinhas-chave precedidas de “#” que as pessoas incluem em seus twits para facilitar aos outros encontrar desdobramentos do tema. Twiteiros sem-noção são experts em inventar hashtags bobocas e que ninguém acompanha.
fonte: http://oglobo.globo.com

Engenheiro do Google explica novo Caffeine





Engenheiro do Google explica novo Caffeine

Novo sistema de indexação do Google substitui cadastro em camadas por segmentos

SÃO PAULO – O engenheiro do Google responsável pela qualidade dos serviços de buscas, Matt Cutts, explicou, ontem, como funciona o Caffeine, novo sistema de indexação implantado pela empresa na quarta-feira.

Internet terá um papel-chave em 2010 no Brasil, diz estrategista de Obama

Para ajudar a eleger a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, pré-candidata à presidência, o estrategista trará ao País a experiência de sua empresa, a Blue State Digital, líder em financiamento, advocacia e redes sociais na internet, como ele mesmo descreve.

Sem mencionar Dilma, que oficialmente ainda não é a candidata pelo PT, Ben Self conversou com o iG, por email, sobre as eleições do ano que vem na internet. Leia abaixo na íntegra.

iG – O Brasil tem 64,8 milhões de pessoas com acesso à internet, e o maior crescimento está nas classes mais pobres da população. Como isso afeta as estratégias de campanha?
Ben Self – A internet terá um papel-chave em 2010 no Brasil. Embora o número de pessoas online seja apenas uma fração do total da população brasileira, é um grande número de pessoas – todos que podem ser mobilizados e energizados por um candidato, construindo uma dinâmica, engajando virtualmente e criando listas de email.

iG – A televisão pode ser deixada em segundo plano em 2010?
Ben Self – Muitos candidatos e organizações pensam na internet como uma ferramenta de persuasão – como uma propaganda na televisão. Em vez disso, nós escolhemos tratar isso como uma ferramenta de engajamento com nossos apoiadores – e aí usamos esses simpatizantes para convencer seus amigos e vizinhos a apoiar um candidato. Por isso, a internet não substitui o uso da televisão, da campanha nas ruas ou qualquer outra parte da campanha. A internet é uma nova ferramenta que pode ser estendida em cima de todas as outras ferramentas de campanha.

iG – Os brasileiros usam a internet para trocar conteúdo por email ou compartilhar fotografias, e menos para se envolver em debates políticos? O senhor tem essa visão?
Ben Self – Não tenho estatísticas sobre como os brasileiros usam a internet, mas está claro que diferentes culturas reagem de forma diferente a oportunidades online. É por isso que não existe uma solução fácil, com formatos pré-definidos. Em cada ambiente político que a Blue State Digital trabalha, a gente sempre testa nossas hipóteses para descobrir o que vai e o que não vai funcionar naquele ambiente.

iG – O que os brasileiros podem esperar encontrar na rede, especialmente nos sites e nas redes sociais online dos candidatos) durante o próximo ano até outubro, quando acontecem as eleições no País?
Ben Self – Eu acredito que as mudanças na legislação feitas há pouco neste ano permitirão aos candidatos e aos partidos engajar-se com brasileiros em um nível muito mais profundo e de uma maneira mais significativa que eles estavam legalmente habilitados a fazer nas eleições anteriores.

iG – O senhor acredita que o micro-financiamento de campanhas pela internet serão bem-sucedidos no Brasil? É possível criar uma cultura de doação aqui, ou os escândalos de corrupção podem frear doações?
Ben Self – Eu acredito que, no longo prazo, veremos mais e mais pessoas doando para campanhas no Brasil. Mesmo que nesta eleição não faça uma diferença drástica, leva anos para construir uma cultura de doação, e eu acredito que os primeiros passos serão dados em 2010. E, fundamentalmente, eu acredito que quanto mais pessoas decidirem investir (tanto seu tempo como seu dinheiro) em campanhas políticas, melhor será para o Brasil.