Cuba no exigirá la censura de tuits, según bloguero oficialista

El gobierno cubano no pediría a Twitter que censure ningún tuit. Así lo informó el bloguero oficialista Yohandry Fontana, quien afirma que esta medida la escuchó de un alto funcionario del Ministerio de la Informática y las Comunicaciones de ese país.

Como se sabe, la red de microblogging anunció que a partir de ahora bloqueará la publicación de ciertos mensajes en los países que lo requieran.

La fuente del blogger cubano es anónima por lo que no se puede asegurar que la isla en verdad no solicite la intromisión de Twitter. “A 90 millas de una potencia como Estados Unidos nosotros los cubanos necesitamos saber qué dicen los enemigos de la revolución, el estar bien informados nos permite prevenir acontecimientos”, refiere la fuente de Yohandry.

Por otra parte, mañana, sábado 28, los usuarios en Twitter dejarán de tuitear en una protesta para hacer que Twitter reflexione sobre la que consideran una absurda medida.

Twitter vai ajustar seu ‘censor’ de acordo com o país

O microblog Twitter anunciou nesta sexta-feira um mecanismo que irá bloquear algumas mensagens, de maneira seletiva, levando em conta o país em que elas podem ser exibidas.

Twitter vai ajustar seu ‘censor’ de acordo com o país
Twitter vai ajustar seu ‘censor’ de acordo com o país

Em seu blog, a empresa anunciou que poderia “reter conteúdo de usuários de um país específico”.

Mas disse também que o que for bloqueado em um país pode seguir disponível no restante do mundo. Até então, quando o Twitter decide apagar uma mensagem, ela desaparece em todo o mundo.

Expansão

A mudança vem à tona em um momento em que o site social está se expandindo para outros mercados globais.

A empresa explicou que esse crescimento internacional significa entrar em países que “têm idéias diferentes sobre liberdade de expressão” e citou como exemplos a França e a Alemanha, que vetam conteúdo pró-nazismo.

“Começando hoje, agora temos podemos reter conteúdo de usuários em países específicos – enquanto ele permanece visível no restante do mundo”, disse a empresa em seu blog.

“Ainda não usamos essa ferramenta, mas se e quando ela for necessária, vamos tentar alertar o usuário e vamos deixar claro que determinado tweet foi bloqueado.”

Críticas

A decisão foi criticada pelo grupo Repórteres Sem Fronteiras. “Essa medida pode permitir que o Twitter ou outras empresas na internet censurem conteúdos, criando riscos para a liberdade de informação e da imprensa.”

“Seria interessante perguntar para eles que tipo de pesquisa eles fizeram para mostrar que benefícios teríamos ao censurar tweets em alguns países. Isso é algo problemático mesmo ou eles estão sendo pressionados por certas organizações ou certos regimes, para que possam continuar a funcionar nesses lugares?”

Em resposta, o Twittter disse: “Nossas políticas e nossa filosofia em relação ao reconhecimento da liberdade de expressão não mudou. Este é simplesmente um esclarecimento sobre como respondemos a requisitos legais.”

Muitos usuários do Twitter também reclamaram da medida, com alguns destacando a possibilidade de um impacto negativo na liberdade de expressão, especialmente fora dos Estados Unidos.

Google+ adota medidas para competir com Facebook

Google+ adota medidas para competir com Facebook
Google+ adota medidas para competir com Facebook

O Google espera aumentar a base de usuários do Google+ diminuindo a idade mínima permitida para que uma pessoa faça um perfil em sua rede social para 13 anos. Anteriormente, o ingresso era limitado a maiores de 18 anos.

A mudança acompanha uma série de alterações nas políticas de segurança e uso do sistema de sites do Google, visando o crescimento da empresa. Nesta mesma semana, a empresa anunciou que irá permitir apelidos e pseudônimos nos perfis de seus serviços.

Para o vice-presidente de produtos da empresa americana, Bradley Horowitz, a mudança fará com que a rede social da gigante de buscas possa competir com o Facebook de igual para igual. 

Com informações do Geek.

Vídeo de fim de ano reúne artistas que apoiam o Megaupload

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=o0Wvn-9BXVc]

O clipe musical “Mega Song” foi retirado do ar após uma acusação de violação de direitos autorais pela Universal Music e republicado nesta semana.

Em um vídeo de fim de ano, celebridades apoiaram o site de compartilhamento de conteúdo Megaupload. O clipe musical chamado Mega Song chegou a ser removido do Youtube pela Universal Music, alegadamente, por infração a direitos autorais, de acordo com o portal Torrentfreak.

O vídeo, publicado no canal do fundador do Megaupload, Kim Schmitz, que foi preso hoje (20/01) na Nova Zelândia, voltou ao ar depois de uma ação movida pela empresa contra a Universal Music. Artistas como Will.i.am, P Diddy, Kanye West, Chris Brown, Serena Williams, entre outros, cantam a música, junto com o fundador do Megaupload.

O Megaupload foi retirado do ar ontem (19/01), por infração de direitos autorias da Universal Music. Em resposta à ação, o grupo de hackers Anonymous realizou ataques DDoS (Negação de Serviço) aos portais do FBI, do Departamento de Justiça dos EUA, da Universal Music, entre outros.

No clipe musical abaixo, republicado em 17/01, um dia antes dos protestos contra a censura na internet, a empresa informa que o site tinha 50 milhões de acessos por dia, o que representaria 4% dos internautas em todo o mundo.

Vídeo de fim de ano reúne artistas que apoiam o Megaupload

Fundador da Megaupload continua detido. Vergonha!

Fundador da Megaupload continua detido
Fundador da Megaupload continua detido

O fundador da página de downloads Megaupload continua em prisão preventiva e ainda não é conhecida, por parte do tribunal da Nova Zelândia, a decisão do pedido de liberdade provisória, o que deverá acontecer na terça ou quarta-feira.

Kim Dotcom, ou Schmitz, o seu nome verdadeiro, é acusado pelos Estados Unidos de estar à frente do maior portal de pirataria na Internet.

O FBI encerrou na passada quinta-feira a página da Megaupload e a investigação resultou na prisão de quatro pessoas, incluindo o fundador do site.

Juntamente com o fundador, foram detidos os alemães Finn Batato (chefe técnico do portal), Mathias Ortman (co-fundador do Megaupload) e o holandês Bram van del Kolk.