Políticos transformam internet em arma de campanha (2006)

ISSO NO 2006, GRANDE NELSON DE SÁ

Sem showmícios, outdoors, cartazes e faixas de rua, camisetas e bonés, a campanha eleitoral de 2006 tem os muros e a televisão. E a internet.

Neste ano eleitoral, no Brasil como nos EUA, “o cálice sagrado” que os políticos buscam é como tornar a internet uma arma de persuasão, diz o blogueiro americano Jerome Armstrong, dito “The Blogfather”, do MyDD.com.

Ele foi a âncora da campanha de Howard Dean, há três anos, paradigma da incorporação da web pela democracia representativa, e cunhou a expressão “netroots”, para designar o ativismo político de “raiz” organizado via internet.

Nos EUA, o fenômeno acontece de baixo para cima, das “raízes” para o marketing de campanha. No Brasil, como se vê nos sites de candidatos e partidos, a “idéia fora de lugar” salta etapas, do marketing de campanha para a rede, de cima para baixo.

No ar, os sites de Lula, Geraldo Alckmin, Heloísa Helena, José Serra e Aloizio Mercadante incorporam mecanismos de interação e tecnologia de ponta, dos vídeos ao blog de candidato, mas pouco se encontra de ligação com o ativismo pré-existente na internet.

Ativismo que enredou e estabeleceu movimentos como aqueles vinculados ao Fórum Social Mundial, à esquerda, e ao “não” vitorioso no referendo sobre porte de armas, à direita.

Conexões

Carlos Bottesi, professor de Redes Convergentes na Unicamp, conta a história de um candidato a vereador com “uma proposta muito simples”, dois anos atrás em Campinas: “resgatar a dignidade dos animais de rua”.

A partir dela, o político criou uma “rede de conexões” pela internet, com e-mails e outros mecanismos –e, sem televisão, terminou como o mais votado.

A história exemplifica como, na internet, o que importa é a rede que se forma. “A Igreja Católica, os sindicatos, os partidos sempre foram ações em rede”, diz Bottesi, também professor de Novos Espaços Políticos do MBA em marketing político da ECA-USP.

“No momento, a internet é ferramenta indispensável para ampliar as ações em rede.”

Vale para igrejas e políticos como vale para qualquer cidadão. Blogs coletivos e mensagens de celular mobilizaram, no final de 2005, as manifestações –e os ataques violentos– dos jovens franceses.
Sites interativos de mídia independente organizaram os atos de Seattle e Gênova. Correntes de mensagem de texto, por e-mail e instrumentos tipo “messenger”, teriam criado a rede do “não” no referendo das armas.

Voto nulo e transparência

No momento, no Brasil, uma das redes políticas mais atuantes, fora das instituições, é a do voto nulo, que começou em blogs como Voto Nulo de Protesto e [10 anos a 1000], hoje praticamente inativos, e se espalhou viralmente pela blogosfera, chegando até aos mais estabelecidos.

Uma rede contrária ao voto nulo, registre-se, também já se formou, em blogs e comunidades de Orkut, estabelecendo um confronto on-line que alcança dezenas de endereços, de ambos os lados.

Outra rede que busca se firmar, externamente às instituições pré-existentes, é aquela em torno da organização Transparência Brasil (www.transparencia.org.br)

NELSON DE SÁ
Colunista da Folha de S.Paulo

Dilma lança blog, Orkut, Facebook e Flickr

A pré-candidata petista à Presidência, Dilma Rousseff, lançou nesta segunda-feira seu blog pessoal e seu perfil no Orkut, no Flickr e no Facebook. A empreitada na web acontece depois que seu rival nas urnas, o tucano José Serra, instalou telões na oficialização de sua pré-candidatura para receber mensagens do eleitorado e distribuiu o seu Twitter entre militantes do PSDB.

Dilma optou por aderir a um modelo mais próximo de um diário eletrônico para não ser acusada de fazer propaganda eleitoral fora de época. De acordo com o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), os candidatos podem desenvolver endereços na web direcionados à campanha somente a partir de 6 de julho.

O blog de Dilma traz a biografia da pré-candidata, fotos, artigos e propostas. O vermelho, cor de seu partido, é a tonalidade predominante do ambiente virtual.

Parabens Dilma, bem vida ao mundo dos internautas!

Políticos usam web para arrecadar votos

Candidatos brasileiros já estão na internet

SÃO PAULO – Inspirados no presidente dos Estados Unidos, os políticos brasileiros vão às redes sociais em busca de votos.

No Twitter, um dos seus amigos escreve: “Já decidiu seu voto? Não? Então dá uma olhada neste texto”. Logo em seguida há um link para um artigo num blog de um dos candidatos à presidência. No orkut e no Facebook, outra avalanche de declarações de apoio toma conta das atualizações dos seus contatos. Propaganda irregular? Nem de longe, em nenhum dos dois exemplos. Essa boca de urna online vai virar realidade a partir de 6 de julho. Com a bênção da Justiça Eleitoral, a disputa política ganhou carta branca para invadir a internet.

Nas eleições anteriores, o espaço máximo que um candidato conseguia para defender suas ideias era o site oficial de campanha, cadastrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Também estava liberado o uso da página do próprio partido ou da coligação. Nesta vez, haverá uma mudança radical. Os candidatos também poderão defender seus pontos de vista em blogs e redes sociais. Foi autorizado até mesmo o recebimento de doações online, por meio do cartão de crédito. Os ministros do TSE concluíram que a internet é território livre. Por isso, decidiram que a web deve estar sujeita a mecanismos de controle menos rigorosos do que outros meios de comunicação.

Isso não quer dizer que vale tudo. O TSE definiu regras para a campanha digital, que devem ser seguidas para evitar multas que variam de 5 000 a 30 000 reais. Propagandas pagas, por exemplo, estão proibidas em qualquer home page. Além disso, nenhum partido poderá enviar e-mail a um eleitor que não tiver se cadastrado previamente para receber mensagens. E ofensas e abusos vão render direito de resposta (veja o quadro Sinal verde ou vermelho?). Mesmo assim, as restrições são bem mais leves do que as que existem para a TV e o rádio.

Leia mais em: http://info.abril.com.br/noticias/internet/como-ganhar-votos-online-29062010-6.shl

Fonte: http://info.abril.com.br/noticias/internet/como-ganhar-votos-online-29062010-6.shl

TSE libera debates na internet antes da oficialização das candidaturas

As regras ficam a cargo dos veículos, desde que respeitem participação igualitária dos convidados. 

TSE aproba debates
TSE aproba debates

 

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) liberou os debates na internet e em jornais impressos antes da oficialização das candidaturas pela Justiça Eleitoral. O prazo para o registro dos candidatos termina no dia 5 de julho. A decisão de desta quarta-feira foi baseada na consulta pública do deputado Miro Teixeira (PDT- RJ) que pedia esclarecimentos sobre a participação de candidatos e pré-candidatos em debates na internet. O plenário deixou a cargo dos veículos de comunicação as regras para a participação dos candidatos nos debates eleitorais, desde que todos os convidados sejam tratados de maneira igualitária. A transmissão ao vivo pela internet dos debates também foi liberada. Segundo o ministro Marco Aurélio Mello, também relator da consulta pública, esse tipo de debate não vai caracterizar propaganda eleitoral antecipada. “Os debates visam ao esclarecimento geral quanto ao perfil de candidatos e pré-candidatos”, justificou. 

Fonte : Agencia Brasil

Internet terá um papel-chave em 2010 no Brasil, diz estrategista de Obama

Para ajudar a eleger a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, pré-candidata à presidência, o estrategista trará ao País a experiência de sua empresa, a Blue State Digital, líder em financiamento, advocacia e redes sociais na internet, como ele mesmo descreve.

Sem mencionar Dilma, que oficialmente ainda não é a candidata pelo PT, Ben Self conversou com o iG, por email, sobre as eleições do ano que vem na internet. Leia abaixo na íntegra.

iG – O Brasil tem 64,8 milhões de pessoas com acesso à internet, e o maior crescimento está nas classes mais pobres da população. Como isso afeta as estratégias de campanha?
Ben Self – A internet terá um papel-chave em 2010 no Brasil. Embora o número de pessoas online seja apenas uma fração do total da população brasileira, é um grande número de pessoas – todos que podem ser mobilizados e energizados por um candidato, construindo uma dinâmica, engajando virtualmente e criando listas de email.

iG – A televisão pode ser deixada em segundo plano em 2010?
Ben Self – Muitos candidatos e organizações pensam na internet como uma ferramenta de persuasão – como uma propaganda na televisão. Em vez disso, nós escolhemos tratar isso como uma ferramenta de engajamento com nossos apoiadores – e aí usamos esses simpatizantes para convencer seus amigos e vizinhos a apoiar um candidato. Por isso, a internet não substitui o uso da televisão, da campanha nas ruas ou qualquer outra parte da campanha. A internet é uma nova ferramenta que pode ser estendida em cima de todas as outras ferramentas de campanha.

iG – Os brasileiros usam a internet para trocar conteúdo por email ou compartilhar fotografias, e menos para se envolver em debates políticos? O senhor tem essa visão?
Ben Self – Não tenho estatísticas sobre como os brasileiros usam a internet, mas está claro que diferentes culturas reagem de forma diferente a oportunidades online. É por isso que não existe uma solução fácil, com formatos pré-definidos. Em cada ambiente político que a Blue State Digital trabalha, a gente sempre testa nossas hipóteses para descobrir o que vai e o que não vai funcionar naquele ambiente.

iG – O que os brasileiros podem esperar encontrar na rede, especialmente nos sites e nas redes sociais online dos candidatos) durante o próximo ano até outubro, quando acontecem as eleições no País?
Ben Self – Eu acredito que as mudanças na legislação feitas há pouco neste ano permitirão aos candidatos e aos partidos engajar-se com brasileiros em um nível muito mais profundo e de uma maneira mais significativa que eles estavam legalmente habilitados a fazer nas eleições anteriores.

iG – O senhor acredita que o micro-financiamento de campanhas pela internet serão bem-sucedidos no Brasil? É possível criar uma cultura de doação aqui, ou os escândalos de corrupção podem frear doações?
Ben Self – Eu acredito que, no longo prazo, veremos mais e mais pessoas doando para campanhas no Brasil. Mesmo que nesta eleição não faça uma diferença drástica, leva anos para construir uma cultura de doação, e eu acredito que os primeiros passos serão dados em 2010. E, fundamentalmente, eu acredito que quanto mais pessoas decidirem investir (tanto seu tempo como seu dinheiro) em campanhas políticas, melhor será para o Brasil.

A política e Internet

Para as próximas eleições do 2010 o congresso aprovou a reforma eleitoral sem restrições à internet no período de campanhas eleitorais. Os parlamentares aprovaram emenda que libera a atuação de sites jornalísticos, blogs e redes sociais durante as campanhas. Há apenas a proibição do anonimato aos jornalistas e a garantia de direito de resposta aos candidatos que se sentirem ofendidos. Os sites também podem realizar debates entre os candidatos sem as regras aplicadas às rádios e televisões.

Finalizadas as eleições dos EUA, Barack Obama, mudou a forma de fazer política em todo o mundo. Obama usou todos os recursos que oferece a Internet para alcançar o consumidor on-line:

  • estratégia em redes sociais
  • plataformas colaborativas
  • marketing em motores de busca
  • marketing por e-mail
  • captação de fundos  

Planejar a atuação do candidato nas redes sociais requer planejamento e conhecimento. Palavras como  links patrocinados, publicidade online, propaganda online, mobile marketing, marketing móvel, otimização de sites, seo, blogs, anunciar na internet, adwords, redes sociais, impactos, blogs, etc… vão ser comuns nessas eleições.

No Brasil, o efeito Obama já fez com que vários parlamentares estejam adotando as redes e blogs como canal de relacionamento, estratégia que certamente ganhará muito peso nas próximas eleições. 

Game is on!!!

Olho no prato!!!

“…aluguei um cloud server com a empresa server media e na hora de fazer a cobrança o atendimento foi muito ágil e prestativo me enviaram um email no dia 29/03 confirmando que receberam o pagamento e desde então sumiram, já tentei contato por telefone mais não atendem, enviei diversos tickts de reclamação e nenhuma resposta!! no site da empresa www.servermedia.com.br consta que tem suporte 24hrs o que é propaganda enganosa pois nunca me respondem nem no chat nem por telefone ou ticket o que esta caracterizando como estelionato !!fica aqui o alerta para que mais pessoas não sejam enganado por esta empresa!! á uma semana atrás 22/04 consegui contato com o sr Vinicius Sanchez responsável pela empresa que prometeu devolver o dinheiro e até hoje dia 28/04 não cumpriu com suas promessas…”

fonte: http://denuncio.com.br